Que ele saiba que, invariavelmente, pode contar comigo, nos tempos de celebração e na travessia das longas noites escuras.
É dele também a minha mão. É dele também o meu abraço. É dele também a minha escuta. É dele também o meu olhar amoroso. É dele também os meus melhores sorrisos.
Que se saiba amado muito além do de vez em quando, do por causa de, do se.
Que se sinta amado como é, não interessa com que cara a circunstância esteja. Que se sinta amado simplesmente porque é...

Ana Jácomo
Não me peça para esquecer as cores, meu coração sempre andará com as lembranças felizes.
Tendo na visão do futuro, as flores, o voo dos pássaros, um lindo céu azul com nuvens desenhando belas formas...
E talvez um mar para banhar e salgar as manhãs.
Não me peça para esquecer a imensa beleza da vida.
Apesar de tudo o que já passei, de tantos dissabores, há sempre algo que movimenta a nossa esperança...
Uma criança que nasce para ser amada e ser feliz, uma flor que desabrocha para ser contemplada por quem quiser, um menino que cresce e segue um caminho repleto de luz...

Carol Timm

Afonso

O caminho começou no dia 21 de Dezembro de 2006, o Afonso nasceu em morte aparente, ficando com lesões cerebrais, que lhe causaram paralisia cerebral. Atravessámos longos dias de hospital, dias em que a dor e a preocupação não nos abandonavam mas, desde cedo, percebemos que era um lutador e todos os dias lutamos, com ele, para chegar onde lhe for possível e quem sabe… afinal é um caminho que se faz caminhando...

segunda-feira, 9 de março de 2009

No meu pensamento...


Quando escrevo, apenas transmito os meus pensamentos, as minhas conversas, os acontecimentos do meu dia a dia.

Algumas das minhas amigas mais próximas, quando lêem o blogue, já falaram comigo e sabem que o que estão a ler, foi o que já lhes contei.

Isto é de tal maneira verdade, que eu acho, que até falo com virgulas!

A maior parte dos meus amigos que lêem o blogue, passam por aqui em SILÊNCIO...

Quem me conhece bem, sabe porque escrevo, sabe que não gosto de elogios, que quando escrevo, escrevo com a alma, nua, a descoberto, transpiro as minhas emoções, as boas e as más e não espero agradecimentos, até porque não sei como lidar com eles.

Claro, que há pessoas que não conheço, que também passam por aqui sem deixar qualquer comentário, outras, entre elas amigas, que fazem questão de comentar todos os post's.

Eu agradeço o que comentam, até porque há comentários lindos, feitos de coração, sinceros...

Agradeço, especialmente, o vosso apoio, a vossa disponibilidade, o amor que demonstram sentir pelo Afonsinho, porque acredito que este amor o ajudou e vai continuar a ajudar a superar os obstáculos.

Durante toda a minha vida, nunca fui uma pessoa de meios termos, não tenho conhecidos. As pessoas que me conhecem ou são minhas amigas ou odeiam-me.

O mais curioso, é que se pedisse a uma amiga para dizer porque é que gosta de mim a resposta seria:

Porque sou uma pessoa directa, sincera, verdadeira, de personalidade forte, segura, que admite as suas fraquezas, que luta para ultrapassar os problemas, que sabe o que diz, que transmite confiança.

O mais engraçado, é que é EXACTAMENTE, pelas mesmas razões, que as pessoas não gostam de mim...

Quando o Afonsinho nasceu, obviamente, que houve uma triagem em relação aos amigos e aos supostos amigos e até aos supostos não amigos.

Houve pessoas que nos apoiaram desde o primeiro momento, familiares e amigos.

Houve familiares, pessoas que eu amo e que me amam, que tiveram péssimas reacções, que lidaram mal com a situação, que me magoaram e provocaram (ainda mais) sofrimento.

Houve supostos amigos que desapareceram, amigos que se aproximaram, familiares que se voltaram a aproximar...

Ao longo destes dois anos, aconteceram alguns factos, vou chamar-lhe estranhos.

Pessoas que estavam inicialmente presentes, que se afastaram, praticamente, por completo (aqui vou fazer, uma ressalva, em relação à minha grande amiga Paulinha. Nunca escrevo o nome das pessoas em questão, utilizando apenas a letra inicial, porque é uma forma de proteger a sua privacidade mas, neste caso, tu que és leitora assídua do blogue, não quero que penses, nem que seja só por um segundo, que alguma vez me poderia referir a ti. Adoro-te.) Outras que inicialmente e até já há algum tempo estavam longe, aproximaram-se e hoje caminham de mãos dadas connosco.

Ao longos destes últimos meses, fui conhecendo novas pessoas.

Pessoas, que tal como eu, têm filhos com dificuldades.

Estas pessoas fui conhecendo-as nos mais diversos locais, onde o Afonsinho fez ou faz terapias e também, aqui, na Internet e na blogosfera.

Há já algum tempo e apesar de estar rodeada de bons amigos, que percebi e senti necessidade de ter amigos, que estivessem no mesmo caminho que nós.

Pais de crianças com dificuldades, que passam diariamente por terapias, por consultas, por diagnósticos, por obstáculos, por dúvidas...

Pais que sabem, que sentem o mesmo que nós...

Pessoas que aceitem o meu filho, que cresçam com ele, que o amem, independentemente das suas limitações...

Pessoas com quem podemos conviver, ir à praia, ao parque, ao cinema...

Pessoas que nos vão amar e em especial ao Afonso independentemente, das limitações que ele possa vir a ter...

Estas pessoas, amigos queridos, já fazem, graças a Deus, parte da nossa vida.

Houve outras pessoas que gostaríamos que também fizessem parte da nossa vida, que gostaríamos que tivessem percebidos as nossas intenções, que nos tivessem aceite, como de imediato os aceitámos, que se tivessem apaixonado pelo Afonsinho, como nós nos apaixonámos pelos filhos deles...

Escrevo estas palavras, por motivo nenhum mas também, por todos os motivos...

Eu falo tanto, meus Deus como é possível, uma pessoa falar tanto, ter sempre tanto para dizer, tanto para contar?

Há imensos factos, neste meu passado, tão presente, que em determinado altura optei, por empurrar para baixo, porque esquecer, é simplesmente impossível!

Por isso, sem saber bem porquê, nem que facto gerou determinado conversa, dou por mim a falar de situações que pensei não mais falar, sobre as quais não me apetece escrever mas, agora já percebi que mais cedo ou mais tarde, no seu tempo próprio, acabarei por escrever tudo, mesmo tudo o que se passou e são tantas histórias!!!

Porque é impossível viver carregando tanto peso no coração e na alma...

3 comentários:

maria disse...

As amizades surgem quando menos esperamos...de pais como nós, ou até não.
Mas é algo bonito e que não devemos evitar.
Tenho ultimamente sido uma das leitoras silenciosas, mas porque tenho tido muito pouco tempo para passar e ler tudo com calma. E prefiro deixar comentário quando leio tudo com calma.

Ser frontal é uma virtude. Precipitação nem tanto. Porque por vezes temos de ter a certeza do que dizemos e temos de ter a tranquilidade de deixar o tempo passar e nos mostrar algumas verdades.

O nosso coração por vezes tem de carregar mesmo muitos sentimentos controversos. E como custam...
Mesmo tendo amigos, mesmo tendo com quem falar, temos sempre um peso, não é?

Um beijo para ti e mais uma vez desculpa a ausência.

Cortes disse...

E há ainda aquelas que caminham quase invisivelmente, mas que caminham sempre, todos os dias, através dos fios invisíveis de Deus.

Maria disse...

Minha querida "D" usando uma frase que não é minha, (Gosto de ti daqui até á lua,da lua até aqui.)

Goste de ti por seres assim,se fosses diferente não serias tu, e á medida que foste crescendo foste tornando numa mulher espectacular e com muita força e isso é o mais importante é seres tu mesma!
É com isso que nós que te amamos contamos é seres sempre tu1

Um amigo aceita-te como és, mas espera que sejas tudo o que puderes ser.
Um amigo é alguém que sabe tudo de ti, e mesmo assim gosta de ti.

(Tirado dum pequeno livro de Um Amigo,esta pequena frase é de Autor desconhecido)

Beijos com todo o carinho do mundo,e uns abracinhos apertadinhos a minha neta "C" e ao "A" claro também para vocês!

Não me esqueço de voçês!

PS.
(Não tenho escrito muito porque a "Mona" foi operada novamente ontem e estou com muita dificuldade a aceitar a doença da nossa cadelita)

Beijocas....M.M.G.

O que é paralisia cerebral?

"A criança com Paralisia Cerebral tem uma perturbação do controlo da postura e movimento, como consequência de uma lesão cerebral que atinge o cérebro em período de desenvolvimento.
(...)A criança com Paralisia Cerebral pode ter inteligência normal ou até acima do normal."

Retirado de "A criança com paralisia cerebral" - Guia para os pais e profissionais da saúde e educação APPC
Hoje caminho, o céu está azul, o sol brilha esplendoroso, oiço o chilrear dos passarinhos e o silêncio...
O silêncio no meu coração,
Os momentos, os meus momentos felizes...
Oiço o riso das crianças, cheiro a maresia que vem do mar, caminho descalça pela areia, continuo a sonhar.
Sonho, que o teu limite é o sonho e que o teu caminho, tem tantos obstáculos, uns já vencidos e outros, tantos outros, por vencer...
Dificil, é este nosso caminho mas, sei que embora seja feito devagar, muito devagar, sei que chegaremos ao destino deste nosso caminho que se faz caminhando...

Dina

Sou uma caminhante na estrada do aprendizado do amor. Às vezes, exausta, eu paro um pouquinho. Cuido das dores. Retomo o fôlego. Depois, levanto e seduzida, enternecida pelo chamado, cheia de fé, eu prossigo. Um passo e mais outro e mais outro e mais outro, incontáveis. Sei de cor que não é fácil, mas sei também que é maravilhoso olhar para o caminho percorrido e perceber o quanto a gente já avançou, no nosso ritmo, do nossos jeito, um passo de cada vez.

Ana Jácomo
E Deus continua susurrando: Não desista, o melhor ainda está por vir...
Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.

Dalai Lama

O amor é um caminho que clareia, progressivamente, à medida em que o percorremos, como se cada passo nosso fizesse descortinar um pouco mais a sua luz.
A jornada é feita de dádivas e alegrias, mas também de imprevistos, embaraços, inabilidades, lições de toda espécie.
De vez em quando, tropeçamos nos trechos mais acidentados. Depois, levantamos e prosseguimos: o chamado do amor é irrecusável para a alma. Desistir dele, para ela, é como desistir de respirar.


Ana Jácomo
Quando eu deixei de olhar tão ansiosamente para o que me faltava e passei a olhar com gentileza para o que eu tinha, descobri que, de verdade, há muito mais a agradecer do que a pedir. Tanto, que às vezes, quando lembro, eu me comovo. Pelo que há, mas também por conseguir ver.

Ana Jácomo
Nem sempre querer é poder, porque às vezes a gente quer, mas ainda não pode. Ainda não consegue realizar.
Não faz mal: a vontade que é legítima, alinhada com a alma, caminha conosco, paciente, fresca, bondosa, até que a gente possa. Às vezes, isso parece muito longe, mas é só o tempo do cultivo. As flores, como algumas vontades, também desabrocham somente quando conseguem


Ana Jácomo
Depois de cada momento de fraqueza, meu coração prepara, em silêncio, uma nova fornada de coragem.
Às vezes cansa, sim, mas combinamos não desistir da força que verdadeiramente nos move.

Ana Jácomo

Todos os direitos reservados