Que ele saiba que, invariavelmente, pode contar comigo, nos tempos de celebração e na travessia das longas noites escuras.
É dele também a minha mão. É dele também o meu abraço. É dele também a minha escuta. É dele também o meu olhar amoroso. É dele também os meus melhores sorrisos.
Que se saiba amado muito além do de vez em quando, do por causa de, do se.
Que se sinta amado como é, não interessa com que cara a circunstância esteja. Que se sinta amado simplesmente porque é...

Ana Jácomo
Não me peça para esquecer as cores, meu coração sempre andará com as lembranças felizes.
Tendo na visão do futuro, as flores, o voo dos pássaros, um lindo céu azul com nuvens desenhando belas formas...
E talvez um mar para banhar e salgar as manhãs.
Não me peça para esquecer a imensa beleza da vida.
Apesar de tudo o que já passei, de tantos dissabores, há sempre algo que movimenta a nossa esperança...
Uma criança que nasce para ser amada e ser feliz, uma flor que desabrocha para ser contemplada por quem quiser, um menino que cresce e segue um caminho repleto de luz...

Carol Timm

Afonso

O caminho começou no dia 21 de Dezembro de 2006, o Afonso nasceu em morte aparente, ficando com lesões cerebrais, que lhe causaram paralisia cerebral. Atravessámos longos dias de hospital, dias em que a dor e a preocupação não nos abandonavam mas, desde cedo, percebemos que era um lutador e todos os dias lutamos, com ele, para chegar onde lhe for possível e quem sabe… afinal é um caminho que se faz caminhando...

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Orgulhosa!


Na terapia ocupacional esteve sentado, no bloco de espuma, a fazer força com os braços. Esteve também a brincar com o telefone mas, estava menos activo do que o costume.

Esteve a fazer integração sensorial ma tábua elevada e espuma com as mãos e os braços, reagindo muito bem a todos os exercícios.

No fim da sessão, recebemos a visita da minha amiga Cláudia e do "meu" outro anjinho o Baunilha.

Entrou devagarinho, meio tímido mas, de repente já estava a explorar tudo à sua volta.

Esteve a falar comigo ao telefone, e quando lhe perguntei quem era, respondeu de forma sorridente e clara "o bebé", perguntei-lhe com quem queria falar e respondeu-me "com o pai", como se chama o pai e para grande espanto da Cláudia, que nunca o tinha ouvido dizer o nome do pai, respondeu de forma clara e correcta o nome do pai.

A Cláudia estava tão incrédula, que lhe voltei a perguntar o nome do pai e voltei a receber uma resposta clara e correcta.

Pois é, há momentos assim!!!!

Depois despedi-me dele e ele respondeu-me "adeus" .

Parece-me mamã, Cláudia, que a única que acha que o G. "não" fala é mesmo a mamã.

Tirou a bola da caixa, quando a terapeuta da fala lhe pediu, foi buscar um carro, mexeu no computador, quando colocou a chucha na boca e o terapeuta ocupacional lhe perguntou se tinha sono, respondeu-lhe "sim", o terapeuta disse-lhe para se deitar no colchão ao pé das almofadas e ele foi mas, arrependeu-se e foi antes jogar à bola.

Mandou a bola para o Afonsinho, que estava sentadinho no chão, com uma postura muito boa, a cabeça bem direitinha e sozinho. De vez em quanto deixava cair a cabeça para a frente mas levantava-a rapidamente, enquanto o G. lhe chamava "bebé".

Depois estiveram a brincar com o carro, o G. disse que era "o popó do pai", que "não tinha chaves" e apontando para o local das mudanças, disse "não há", mandou o carro para o Afonso incentivando o a brincar com ele.

O Afonsinho colocou a mão direita no carro, sentado sozinho e com a mão esquerda apoiada no chão, tentava empurrar o carro. O carro era grandinho e pesadito para o Afonsinho. Os terapeutas olhavam deliciados para o Afonsinho e as suas "grandes" conquistas.

A Cláudia esteve a falar com os terapeutas que acharam o G. muito desenvolvido e muito bem, dentro do seu quadro.

Falaram-lhe sobre o Programa de Intervenção Precoce da Liga e a existência de uma verdadeira equipa multidisciplinar, que comunica, que partilha o mesmo espaço, que trabalham em conjunto para um objectivo comum.

Entretanto chegaram a Directora do programa de IP e a Assistente Social e apresentei-lhes a Cláudia, fazendo referência que era a minha amiga, que já lhes tinha falado, quando travou, a enorme batalha, para que fossem colocadas o número de educadoras de ensino especial para que os meninos com n.e.e. do agrupamento da Alapraia tivessem apoio de intervenção Precoce.

A directora disse-lhe que a estava a reconhecer e que tinha visto as entrevistas na televisão. A Cláudia disse-lhes que, infelizmente, neste paÍs, nada se faz sem muita luta, a Directora deu-lhe os parabéns pela a sua iniciativa e disse-lhe que estava disponível para o que precisasse.

A Cláudia e o Baunilha, foram recebidos como se fizessem parte desta grande família e eu fiquei , muito orgulhosa.

Orgulhosa, por ter tido a coragem de tirar o Afonsinho de Centro de Paralisia e levá-lo para a Liga.

Orgulhosa, dos "meus" terapeutas.

Orgulhosa, de toda a equipa de Intervenção Precoce, Directora, Assistente Social, Terapeutas e auxiliares pela forma carinhosa, amiga e humana como receberam os meus amigos.

Orgulhosa, do Afonsinho frequentar uma Instituição, onde as crianças contam, as famílias contam, onde somos tão amados.

Orgulhosa, das evoluções e progressos deste dois meninos tão especiais.

Orgulhosa, de nesta tarde, ter tantos e verdadeiros amigos a rodearem-me.

A todos, MUITO OBRIGADA!!!!

2 comentários:

ClaudiaMG disse...

Parabéns por mais esta "Segunda Escolha", acho que o Afonsinho e vocês não poderiam estar mais bem entregues.
Gostei bastante do espaço, da diversidade dos esquipamentos que dispõem, dos brinquedos, dos Terapeutas que nos receberam de braços abertos, da Directora, das Auxiliares e principalmente do carinho que nos transmitiram. Gostei do espírito de Equipa que me foi transmitido pelos Terapeutas, espirito esse que não encontro no Centro de Reabilitação de Alcoitão, gostei bastante de sentir que ali existe uma preocupação, que são eles, os nossos tesouros, gostei de perceber que todos se interessam, todos se preocupam.


Parabéns Dina, é um sítio fantástico onde se vê que o Afonsinho é rodeado de muito amor e de muito carinho.
Fiquei seriamente a equacionar a nossa "mudança", só tenho de conseguir "limar umas arestas".

Já agora aproveito para dizer que considero que a Liga está a desenvolver um excelente trabalho com o Afonsinho e realmente isso só se consegue quando existe o amor e o espírito de inter ajuda que ontem vi.
Dina, tens todos e mais alguns motivos parar estares orgulhosa.

Beijinhos Especiais

Maria disse...

ORGULHOSA !
Como mãe e avó, estou muito orgulhosa de termos encontrado uns amigos como voçês, não vos conheço pessoalmente mas estão no meu coração no meu báu especial!
Sabe "D" creio que compreende o que lhe vou dizer, como mãe, ficamos muito felizes quando os nossos filhos encontram bons amigos, isso acalma-nos o nossso coração, porque quando eu não andar por cá, acredito que a "D" vai estar ao lado da minha estrêla e segurar-lhe a mão quando for preciso, sinto isso no meu coração!


DE todas as coisas que a sabedoria
oferece para uma vida totalmente feliz,a maior de todas é a posse de da amizade.

(EPICURO,-341-270 A.C.)

(EU ACRESCENTE A FAMÍLIA NÃO ESCOLHEMOS, OS AMIGOS SIM, PODEMOS ESCOLHER!)...VIVA OS VERDADEIROS AMIGOS!.

BEIJOS COM MUITO CARINHO POR SEREM COMO SÃO!

M.M.G.

M.M.G.

O que é paralisia cerebral?

"A criança com Paralisia Cerebral tem uma perturbação do controlo da postura e movimento, como consequência de uma lesão cerebral que atinge o cérebro em período de desenvolvimento.
(...)A criança com Paralisia Cerebral pode ter inteligência normal ou até acima do normal."

Retirado de "A criança com paralisia cerebral" - Guia para os pais e profissionais da saúde e educação APPC
Hoje caminho, o céu está azul, o sol brilha esplendoroso, oiço o chilrear dos passarinhos e o silêncio...
O silêncio no meu coração,
Os momentos, os meus momentos felizes...
Oiço o riso das crianças, cheiro a maresia que vem do mar, caminho descalça pela areia, continuo a sonhar.
Sonho, que o teu limite é o sonho e que o teu caminho, tem tantos obstáculos, uns já vencidos e outros, tantos outros, por vencer...
Dificil, é este nosso caminho mas, sei que embora seja feito devagar, muito devagar, sei que chegaremos ao destino deste nosso caminho que se faz caminhando...

Dina

Sou uma caminhante na estrada do aprendizado do amor. Às vezes, exausta, eu paro um pouquinho. Cuido das dores. Retomo o fôlego. Depois, levanto e seduzida, enternecida pelo chamado, cheia de fé, eu prossigo. Um passo e mais outro e mais outro e mais outro, incontáveis. Sei de cor que não é fácil, mas sei também que é maravilhoso olhar para o caminho percorrido e perceber o quanto a gente já avançou, no nosso ritmo, do nossos jeito, um passo de cada vez.

Ana Jácomo
E Deus continua susurrando: Não desista, o melhor ainda está por vir...
Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.

Dalai Lama

O amor é um caminho que clareia, progressivamente, à medida em que o percorremos, como se cada passo nosso fizesse descortinar um pouco mais a sua luz.
A jornada é feita de dádivas e alegrias, mas também de imprevistos, embaraços, inabilidades, lições de toda espécie.
De vez em quando, tropeçamos nos trechos mais acidentados. Depois, levantamos e prosseguimos: o chamado do amor é irrecusável para a alma. Desistir dele, para ela, é como desistir de respirar.


Ana Jácomo
Quando eu deixei de olhar tão ansiosamente para o que me faltava e passei a olhar com gentileza para o que eu tinha, descobri que, de verdade, há muito mais a agradecer do que a pedir. Tanto, que às vezes, quando lembro, eu me comovo. Pelo que há, mas também por conseguir ver.

Ana Jácomo
Nem sempre querer é poder, porque às vezes a gente quer, mas ainda não pode. Ainda não consegue realizar.
Não faz mal: a vontade que é legítima, alinhada com a alma, caminha conosco, paciente, fresca, bondosa, até que a gente possa. Às vezes, isso parece muito longe, mas é só o tempo do cultivo. As flores, como algumas vontades, também desabrocham somente quando conseguem


Ana Jácomo
Depois de cada momento de fraqueza, meu coração prepara, em silêncio, uma nova fornada de coragem.
Às vezes cansa, sim, mas combinamos não desistir da força que verdadeiramente nos move.

Ana Jácomo

Todos os direitos reservados