Que ele saiba que, invariavelmente, pode contar comigo, nos tempos de celebração e na travessia das longas noites escuras.
É dele também a minha mão. É dele também o meu abraço. É dele também a minha escuta. É dele também o meu olhar amoroso. É dele também os meus melhores sorrisos.
Que se saiba amado muito além do de vez em quando, do por causa de, do se.
Que se sinta amado como é, não interessa com que cara a circunstância esteja. Que se sinta amado simplesmente porque é...

Ana Jácomo
Não me peça para esquecer as cores, meu coração sempre andará com as lembranças felizes.
Tendo na visão do futuro, as flores, o voo dos pássaros, um lindo céu azul com nuvens desenhando belas formas...
E talvez um mar para banhar e salgar as manhãs.
Não me peça para esquecer a imensa beleza da vida.
Apesar de tudo o que já passei, de tantos dissabores, há sempre algo que movimenta a nossa esperança...
Uma criança que nasce para ser amada e ser feliz, uma flor que desabrocha para ser contemplada por quem quiser, um menino que cresce e segue um caminho repleto de luz...

Carol Timm

Afonso

O caminho começou no dia 21 de Dezembro de 2006, o Afonso nasceu em morte aparente, ficando com lesões cerebrais, que lhe causaram paralisia cerebral. Atravessámos longos dias de hospital, dias em que a dor e a preocupação não nos abandonavam mas, desde cedo, percebemos que era um lutador e todos os dias lutamos, com ele, para chegar onde lhe for possível e quem sabe… afinal é um caminho que se faz caminhando...

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Os dentinhos chatos!


Depois de mais uma noite mal dormida, lá me levantei com grande sacrifico. O Afonsinho ainda está murchinho mas decidi levá-lo à escolinha.

Tomou bem o pequeno almoço.

A caminho da escola, uma óptima surpresa, o Afonsinho não estava a chorar. Lá fomos cantando, aumentando o volume sempre que havia um ameaço de choro. Os semáforos não ajudaram e na rua da escolinha (na parte de trás) começou o choro, já não o consegui controlar, mas rapidamente estacionei e ele calou-se. Yuppi!!!

Hoje esteve muito quietinho na escola e reagiu muito mal à cadeirinha. Fez birra para almoçar. Quando cheguei estava muito aninhadinho no colo da P.

No caminho para casa, voltámos ao choro do costume.

Quando chegámos deitei-o na caminha e adormeceu de imediato.

Hoje estava sem vontade de o levar às terapias mas, lá resolvi ir.

Não tem febre, nem voltou a vomitar, penso que, realmente, esta situação está relacionada com os dentinhos que estão a romper e nunca mais nascem.

O metabolismo do Afonsinho é mesmo muiito lento. Normalmente os dentes demoram cerca de duas a três semanas a romper, no Afonsinho já lá vão 3 meses e já tem mais a querer romper.

Neste momento tem três incisivos laterais a romper (2 em cima e 1 em baixo), dois primeiros molares (em cima) que já romperam quase na totalidade e dois caninos (em cima).

Tem a gengiva vermelha e muita inchada.

Na fisioterapia, começou a sessão com alguma refilisse mas, depois acabou por correr bem. Hoje para além da sequência motora fez também estimulação sensorial no bidon e no colchão de água.

Eu e a C. estivemos a pintar enfeites para colocar na árvore de natal. A C. pintou uma bola e uma vela e eu pintei uma botinha, depois tivemos de colar no painel que tem a árvore de natal desenhada. Foram os primeiros enfeites da árvore.

Na terapia da fala o Afonsinho também esteve a pintar, um Anjinho de amarelo. Desta vez insistimos e com muita calma e explicando-lhe o que ela ia fazer, conseguimos, com muita paciência, que pintasse com a mão. A C. deu uma ajuda e pôs a cola e as purpurinas. Agora temos que aguardar para saber para que servirá o Anjinho.

Ficámos a saber que a Festa de Natal, será dia 22 de Dezembro a partir das 14h30. Podem participar os familiares e temos que levar um doce.

Perguntei se podia ser um bolo de aniversário, a Assistente Social disse-me que podia levar o que quisésse. Disse-lhe que então, podia contar com o bolo de aniversário, uma vez que o Afonsinho faz anos no dia anterior. Ficaram todas contentes e nós também, porque a festa é numa 2ª feira, dia em que não temos terapias na Liga e assim vamos ter oportunidade de partilhar o 2º aniversário do Afonsinho com as pessoas com quem vivemos intensamente nestes últimos meses e que já são VERDADEIRAS AMIGAS.

Estamos super entusiasmados e já começámos a fazer planos.

3 comentários:

ClaudiaMG disse...

Olá "d", com tantos dentinhos a romperem ao mesmo tempo é perfeitamente natural que o Afonsinho esteja a reagir assim.

Quanto à viagem de carro, estamos a fazer progressos, então já fazemos uma viagem quase sem chorar...isso é que é obra.

Aguardamos então pelas fotos dos vossos efeites de Natal artesanais, que são bem mais lindos dos que os de compra, pois esses foram feitos por vocês com muito amor.

Beijinhos

Grilinha disse...

Coitado do fonsinho. Os dentes incomodam mesmo.

E temos progressos nas viagens ? Boa. É mesmo assim. Um dia vais rir do inferno que ele fazia a andar de carro. (eu e o meu marido no outro dia lembrámo-nos como faziamos sempre por voltar de dia, para não ter berros na viagem...), mas passou...e agora é mesmo assim: até nos rimos.

Beijinhos

D. disse...

Olá amigas

Estou DESEJOSA de poder começar a rir destas birras no carro!

Mas que é mesmo mas, mesmo dificil É!!!

Beijinhos especiais

O que é paralisia cerebral?

"A criança com Paralisia Cerebral tem uma perturbação do controlo da postura e movimento, como consequência de uma lesão cerebral que atinge o cérebro em período de desenvolvimento.
(...)A criança com Paralisia Cerebral pode ter inteligência normal ou até acima do normal."

Retirado de "A criança com paralisia cerebral" - Guia para os pais e profissionais da saúde e educação APPC
Hoje caminho, o céu está azul, o sol brilha esplendoroso, oiço o chilrear dos passarinhos e o silêncio...
O silêncio no meu coração,
Os momentos, os meus momentos felizes...
Oiço o riso das crianças, cheiro a maresia que vem do mar, caminho descalça pela areia, continuo a sonhar.
Sonho, que o teu limite é o sonho e que o teu caminho, tem tantos obstáculos, uns já vencidos e outros, tantos outros, por vencer...
Dificil, é este nosso caminho mas, sei que embora seja feito devagar, muito devagar, sei que chegaremos ao destino deste nosso caminho que se faz caminhando...

Dina

Sou uma caminhante na estrada do aprendizado do amor. Às vezes, exausta, eu paro um pouquinho. Cuido das dores. Retomo o fôlego. Depois, levanto e seduzida, enternecida pelo chamado, cheia de fé, eu prossigo. Um passo e mais outro e mais outro e mais outro, incontáveis. Sei de cor que não é fácil, mas sei também que é maravilhoso olhar para o caminho percorrido e perceber o quanto a gente já avançou, no nosso ritmo, do nossos jeito, um passo de cada vez.

Ana Jácomo
E Deus continua susurrando: Não desista, o melhor ainda está por vir...
Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.

Dalai Lama

O amor é um caminho que clareia, progressivamente, à medida em que o percorremos, como se cada passo nosso fizesse descortinar um pouco mais a sua luz.
A jornada é feita de dádivas e alegrias, mas também de imprevistos, embaraços, inabilidades, lições de toda espécie.
De vez em quando, tropeçamos nos trechos mais acidentados. Depois, levantamos e prosseguimos: o chamado do amor é irrecusável para a alma. Desistir dele, para ela, é como desistir de respirar.


Ana Jácomo
Quando eu deixei de olhar tão ansiosamente para o que me faltava e passei a olhar com gentileza para o que eu tinha, descobri que, de verdade, há muito mais a agradecer do que a pedir. Tanto, que às vezes, quando lembro, eu me comovo. Pelo que há, mas também por conseguir ver.

Ana Jácomo
Nem sempre querer é poder, porque às vezes a gente quer, mas ainda não pode. Ainda não consegue realizar.
Não faz mal: a vontade que é legítima, alinhada com a alma, caminha conosco, paciente, fresca, bondosa, até que a gente possa. Às vezes, isso parece muito longe, mas é só o tempo do cultivo. As flores, como algumas vontades, também desabrocham somente quando conseguem


Ana Jácomo
Depois de cada momento de fraqueza, meu coração prepara, em silêncio, uma nova fornada de coragem.
Às vezes cansa, sim, mas combinamos não desistir da força que verdadeiramente nos move.

Ana Jácomo

Todos os direitos reservados