Que ele saiba que, invariavelmente, pode contar comigo, nos tempos de celebração e na travessia das longas noites escuras.
É dele também a minha mão. É dele também o meu abraço. É dele também a minha escuta. É dele também o meu olhar amoroso. É dele também os meus melhores sorrisos.
Que se saiba amado muito além do de vez em quando, do por causa de, do se.
Que se sinta amado como é, não interessa com que cara a circunstância esteja. Que se sinta amado simplesmente porque é...

Ana Jácomo
Não me peça para esquecer as cores, meu coração sempre andará com as lembranças felizes.
Tendo na visão do futuro, as flores, o voo dos pássaros, um lindo céu azul com nuvens desenhando belas formas...
E talvez um mar para banhar e salgar as manhãs.
Não me peça para esquecer a imensa beleza da vida.
Apesar de tudo o que já passei, de tantos dissabores, há sempre algo que movimenta a nossa esperança...
Uma criança que nasce para ser amada e ser feliz, uma flor que desabrocha para ser contemplada por quem quiser, um menino que cresce e segue um caminho repleto de luz...

Carol Timm

Afonso

O caminho começou no dia 21 de Dezembro de 2006, o Afonso nasceu em morte aparente, ficando com lesões cerebrais, que lhe causaram paralisia cerebral. Atravessámos longos dias de hospital, dias em que a dor e a preocupação não nos abandonavam mas, desde cedo, percebemos que era um lutador e todos os dias lutamos, com ele, para chegar onde lhe for possível e quem sabe… afinal é um caminho que se faz caminhando...

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Desabafos

Quando criei o blogue, foi para escrever as histórias da vida do Afonsinho.
O seu caminho...
Claro, que a vida dele está agregada a muitas outras vidas, que vão invarialvelmente se cruzando e misturando com a dele.

Este blogue é também uma forma de terapia para mim, através da escrita liberto os meus pensamentos, os bons e os mais negros, o que me causam alegria e os que me causam dor, as minhas vitórias e as minhas derrotas, a minha coragem e o meu desânimo mas, em cada texto aprendo, aprendo muito. Aprendo a conhecer-me cada vez melhor, a saber os meus limites, a lutar contra as minhas dúvidas e os meus medos, a ultrapassar-me, a ser cada vez mais eu!

Através deste blogue, aprendi que existe muita solidariedade, muitas pessoas disponiveis para me ouvirem, para me apoiarem e aprendi também, que as posso ajudar, com um conselho, uma opinião ou apenas com uma palavra e um abraço de conforto e amizade.

Nasce assim uma ligação "virtual" de partilha e de confidência que, como tudo na vida, tem o seu lado positivo e o seu lado negativo. O lado negativo, e já me aconteceu, é as pessoas ficarem a saber o que acontece na nossa vida. Ainda há bem pouco tempo, uma amiga me mandou uma sms, a perguntar-me como estava, porque tinha ficado a saber que eu estava doente, ao ler o blogue. Foi estranho, confesso. Não achei graça nenhuma, senti-me observada mas, esta amiga só tem conhecimento do blogue, porque é mesmo muito amiga e fui eu, desde o primeiro minuto que lhe disse que tinha criado o blogue.

Esta ligação virtual, pelo menos para mim, não é uma obrigação. Eu escrevo aquilo que sinto, e até posso escrever mil vezes que o Afonsinho rolou, por exemplo. Eu escrevo para mim! Para o meu bem estar e para guardar em memória tudo o que o meu pequeninho faz, para poder sorrir com cada pequena vitória, com cada som, com cada palavra, com cada ganho...
Eu escrevo para me encher de coragem quando dela preciso, para encher o meu coração que transborda de amor, quando recorda onde começámos e aonde já vamos. É por isto que eu escrevo, pelo amor incondicional que sinto pelo Afonsinho!

2 comentários:

ClaudiaMG disse...

Bem, sobre este assunto o que te posso dizer é que em tempos passei por situação semelhante, sendo que no meu caso não tinha dado o endereço do blog à pessoa em questão. Na altura senti-me "espiolhada" (desculpa a expressão), até porque fiquei a saber que a pessoa lia o meu Blog à muito tempo e nunca tinha feito um único comentário, ou sequer me questionado pessoalemente sobre algum assunto.
Não quer isto dizer que estou à espera que comentem todos os post´s, mas de alguma forma a situação não me caíu nada bem, fiquei chateada e triste e desisti. Desisti de escrever lá e criei um novo....este que tu conheces actualmente e dei o endereço a poucas pessoas. Claro que se quiserem conseguem sempre descobrir por onde ando...é fácil, basta ir aos links de outros blogues. No entanto hoje já não me interessa, hoje já vejo as coisas de forma diferente, sinceramente não estou "nem aí".

Isto para te dizer, que acredito que em determinada altura das nossas vidas bloguistas, todos nós no deparamos com situações que nos desagradam, no entanto acho que o importante é tentar ultrapassar tudo isso, como tu estás a fazer e continuar a escrever, o que nos apetecer, o que nos vem na alma.
E como tu dizes tu escreves para ti, isso sim é o mais importante de tudo.

Beijinhos
Cláudia

P.S.: Deixa-me dizer-te que foi neste mundo virtual que encontrei as pessoas mais solidárias e compreensíveis pois apesar de tudo partilham os mesmos sonhos e objectivos que eu.

Mãe Sisa disse...

Mais uma vez sinto-me "repetida" em vocês! Na D. através do post e na Cláudia através do comentário.
Também encaro o blog como uma forma de terapia e até de partilha, se bem que a partilha pretendida seria só com um grupo restrito de pessoas próximas (porque não me interessa que determinadas pessoas saibam tanto quanto eu porque passado um tempo falam como se soubessem mais ainda!!!) e partilha de vivências que são sempre tão idênticas com aquelas pessoas especiais que, mesmo não as conhecendo a todas pessoalmente, sabemos que de facto, são as que mais nos compreendem porque também elas vivem numa realidade muito próxima da nossa: Mães-Bloguitas-de-Filhos-Muito-Especiais!
Um Bem-Haja a todas estas Mães!!!
Abraço

O que é paralisia cerebral?

"A criança com Paralisia Cerebral tem uma perturbação do controlo da postura e movimento, como consequência de uma lesão cerebral que atinge o cérebro em período de desenvolvimento.
(...)A criança com Paralisia Cerebral pode ter inteligência normal ou até acima do normal."

Retirado de "A criança com paralisia cerebral" - Guia para os pais e profissionais da saúde e educação APPC
Hoje caminho, o céu está azul, o sol brilha esplendoroso, oiço o chilrear dos passarinhos e o silêncio...
O silêncio no meu coração,
Os momentos, os meus momentos felizes...
Oiço o riso das crianças, cheiro a maresia que vem do mar, caminho descalça pela areia, continuo a sonhar.
Sonho, que o teu limite é o sonho e que o teu caminho, tem tantos obstáculos, uns já vencidos e outros, tantos outros, por vencer...
Dificil, é este nosso caminho mas, sei que embora seja feito devagar, muito devagar, sei que chegaremos ao destino deste nosso caminho que se faz caminhando...

Dina

Sou uma caminhante na estrada do aprendizado do amor. Às vezes, exausta, eu paro um pouquinho. Cuido das dores. Retomo o fôlego. Depois, levanto e seduzida, enternecida pelo chamado, cheia de fé, eu prossigo. Um passo e mais outro e mais outro e mais outro, incontáveis. Sei de cor que não é fácil, mas sei também que é maravilhoso olhar para o caminho percorrido e perceber o quanto a gente já avançou, no nosso ritmo, do nossos jeito, um passo de cada vez.

Ana Jácomo
E Deus continua susurrando: Não desista, o melhor ainda está por vir...
Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.

Dalai Lama

O amor é um caminho que clareia, progressivamente, à medida em que o percorremos, como se cada passo nosso fizesse descortinar um pouco mais a sua luz.
A jornada é feita de dádivas e alegrias, mas também de imprevistos, embaraços, inabilidades, lições de toda espécie.
De vez em quando, tropeçamos nos trechos mais acidentados. Depois, levantamos e prosseguimos: o chamado do amor é irrecusável para a alma. Desistir dele, para ela, é como desistir de respirar.


Ana Jácomo
Quando eu deixei de olhar tão ansiosamente para o que me faltava e passei a olhar com gentileza para o que eu tinha, descobri que, de verdade, há muito mais a agradecer do que a pedir. Tanto, que às vezes, quando lembro, eu me comovo. Pelo que há, mas também por conseguir ver.

Ana Jácomo
Nem sempre querer é poder, porque às vezes a gente quer, mas ainda não pode. Ainda não consegue realizar.
Não faz mal: a vontade que é legítima, alinhada com a alma, caminha conosco, paciente, fresca, bondosa, até que a gente possa. Às vezes, isso parece muito longe, mas é só o tempo do cultivo. As flores, como algumas vontades, também desabrocham somente quando conseguem


Ana Jácomo
Depois de cada momento de fraqueza, meu coração prepara, em silêncio, uma nova fornada de coragem.
Às vezes cansa, sim, mas combinamos não desistir da força que verdadeiramente nos move.

Ana Jácomo

Todos os direitos reservados