Que ele saiba que, invariavelmente, pode contar comigo, nos tempos de celebração e na travessia das longas noites escuras.
É dele também a minha mão. É dele também o meu abraço. É dele também a minha escuta. É dele também o meu olhar amoroso. É dele também os meus melhores sorrisos.
Que se saiba amado muito além do de vez em quando, do por causa de, do se.
Que se sinta amado como é, não interessa com que cara a circunstância esteja. Que se sinta amado simplesmente porque é...

Ana Jácomo
Não me peça para esquecer as cores, meu coração sempre andará com as lembranças felizes.
Tendo na visão do futuro, as flores, o voo dos pássaros, um lindo céu azul com nuvens desenhando belas formas...
E talvez um mar para banhar e salgar as manhãs.
Não me peça para esquecer a imensa beleza da vida.
Apesar de tudo o que já passei, de tantos dissabores, há sempre algo que movimenta a nossa esperança...
Uma criança que nasce para ser amada e ser feliz, uma flor que desabrocha para ser contemplada por quem quiser, um menino que cresce e segue um caminho repleto de luz...

Carol Timm

Afonso

O caminho começou no dia 21 de Dezembro de 2006, o Afonso nasceu em morte aparente, ficando com lesões cerebrais, que lhe causaram paralisia cerebral. Atravessámos longos dias de hospital, dias em que a dor e a preocupação não nos abandonavam mas, desde cedo, percebemos que era um lutador e todos os dias lutamos, com ele, para chegar onde lhe for possível e quem sabe… afinal é um caminho que se faz caminhando...

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Creche. Sim ou não?

Ontem, na sessão de TO, o terapeuta falou-me que na opinião dele o Afonsinho devia ir para a creche. Hoje foi a Directora da intervenção precoce e a fisioterapeuta.
Creche?
A posição deles é que o Afonsinho apresenta grandes capacidades cognitivas, com elevada concentração e atenção (viva!!) MAS, parece que na vida há sempre um mas, um grave problema comportamental.
Não se quer sentar numa cadeira, ponto! "Manipula", fazendo hiper-extensão e birra (uma espécie de choro gritado, que em tempos já foi neurológico e agora é intencionalmente usado e que pára sobre uma palavra de ordem ou chamada de atenção, até porque quando chora tem choro normal e lágrimas), quando a situação não lhe agrada, virando-se de barriga para cima (posição que não gosta) e chorando (leia-se birrando) para chamar a atenção, quer estar permanentemente acompanhado, quando não está "birra". E, pior ainda, este comportamento, para além de atrasar o desenvolvimento motor (controlo da cabeça e manipulação de objectos) pode a vir a atrasar também o desenvolvimento cognitivo.
Resumindo, o Afonsinho sofre de MIMICE AGUDA e precisa da creche para interagir com outras crianças e cortar o cordão umbilical! Ufa, isto custou-me a escrever...
Agora a verdadeira questão.
Que creche? Onde? Com outras crianças com necessidades especiais?
E depois.
O que vai fazer nessas actividades? Ele não fala, como se pode expressar?
Porque é que tenho de tomar decisões? Neste momento não tenho condições para tomar decisões, sinto-me completamente inapta.
Eu sei que era importante para o Afonsinho mas, não consigo imaginar esta situação.
Entretanto, o que não é novidade para quem me conhece, já contactei várias creches e vou começar a marcar entrevista, depois logo se vê!

6 comentários:

ClaudiaMG disse...

Olá amiga "d"

É engraçado como ao ler os teus post´s me revejo sempre um pouco neles. Ainda no outro dia te escrevi que temos os mesmos objectvos na vida no que concerne aos nossos filhos, e agora digo-te que também temos um percurso idêntico.
Lembro-me do Guilherme chegar à idade do Afonsinho e no Alcoitão começarem também a falar sobre o assunto da creche e da importância do convívio com outras crianças, eu até à data tenho relevado e vou falando sempre um misto de sim com não....sim estou a pensar no assunto, não ainda não será para já, mas não está fora de questão.....enfim.
Por um lado acredito que os profissionais que lidam com os nossos filhos possam ter razão, por outro também acredito que a dedicação de uma mãe ou de uma avó possa ser o melhor para eles.
Por exemplo a Madalena só foi para a Escola aos 5 anos, até essa data esteve sempre com a minha mãe, fazia imensas actividades, ía para o ginásio e tinha imenso contacto com crianças. Quando chegou ao Colégio a Madalena era uma menina muito responsável, sociável e facilmente se integrou na turminha que já estava junto desde do 1 ano de idade. A Educadora nem queria acreditar que ela tinha estado esse tempo todo com a minha mãe e inclusivé quis conhecê-la para lhe dar os parabéns.
Claro que isto é um caso positivo, mas também existem muitos negativos...
Quanto à vossa decisão, sei que não é nada fácil, também eu volta e meia sou "assaltada" pela mesma e pelo sim pelo não já conheço alguns colégios aqui perto onde tenho confiança total se um dia necessitar de matricular o Guilherme. Uma coisa te digo, se tudo correr bem ainda não será este ano que ele irá para a creche.
E quanto a este assunto só se me apresentarem razões muito válidas é que mudo de ideias, e como até agora isso ainda não aconteceu eu também vou manter a nossa vida como está.
E deixando de falar de nós, a minha opinião é que os nossos meninos deverão ser integrados em turmas normais, até porque as escolas para crianças especiais estão tendencialmente a acabar, o importante é eles terem o acompanhamento da Educadora do Ensino Especial, isso sim, para mim é importantíssimo.

Quanto às birras, não me venham dizer que eles estão mimados porque estão com as mães ou com as avós, quantas crianças ditas "normais" e a andarem nas escolas fazem birras??? Eu conheço muitas, por isso não me digam que o facto de uma criança fazer birra é um problema comportamental e que por causa disso o melhor é colocá-la numa escola....então temos muitas creches que não estão a fazer o devido trabalho.

Bem amiga desculpa o testamento, mas este assunto para mim dá-me sempre para "falar"....heheeh....

Beijinhos Grandes
CláudiaR

Mãe Sisa disse...

Olá D.
Eu sou uma defensora acérrima das creches e Jardins de Infância, mas sou igualmente exigente com as condições que estas oferecem! Talvez porque a minha mãe é Educadora de Infância sei bem aquilo que quero e aquilo que não tolero de maneira nenhuma numa instituição.
Também estou em casa com o JM há 1 ano e meio. Mas esta decisão prende-se apenas com o seu estado de saúde (frágil). Apenas por isso. Os meses que ele frequentou a creche (antes desta última recaída) foram prova que foi uma boa decisão: apesar de ter a linguagem ao nível do palrar, desenvolveu mais vocábulos; foram elas que conseguiram iniciar o treino alimentar e que conseguiram introduzir arroz e massas (antes comia tudo muito bem passado), conseguiu engordar 2,4Kg em 4 meses! E andava felicíssimo... Claro que fazia birras quando chegávamos à porta, mas passados 30 seg depois de sairmos da sala já o ouvíamos rir e a brincar com os amiguinhos.
Optámos por 1 infantário particular por ser aquele que nos ofereceu maior confiança (em termos profissionais, emocionais e de higiene).
Hoje aguardo apenas a "alta médica" para que ele volte para lá...
De certeza que tomarás a melhor decisão para o Afonso.
Abraço

D. disse...

Olá Cláudia,

Conheces o Colégio Garatuja que fica em Acabideche?

D. disse...

Olá mãe Sisa

Pode indicar-me o nome do colégio do principezinho?

Obrigada

Beijinhos

ClaudiaMG disse...

Oi "d"

Claro que conheço, inclusivé é um dos Colégios que está na minha lista.
Tem excelentes condições quer a nível de espaço físico, quer a nível de profissionais.
Mas eu sou suspeita de falar pois conheço o dono do Colégio (foi meu coelga de faculdade). Ele e a mulher (que é psicologa) criaram o colégio de raíz, sendo ela que dirige o colégio. Gosto bastante do Projecto Educativo, do espaço e das pessoas.
A Madalena esteve prestes a ir para lá, mas o problema é que só têm pré-escolar e na altura ela já estava com 5 anos.
Tenho a dizer-te que recomendo vivamente. Este ano uma grande amiga minha inscreveu lá o filhote, vai começar para a semana. Ela também adorou o colégio e disse-me que depois de ver vários na nossa náo existe nenhum que se compare a este.....e é verdade.
Existe outro em Cascais que também tenho que ir espreitar, apesar de achar que é só a partir dos 3 anos que se chama "Os Aprendizes", estive a ver na NET o site e também fiquei interessada.
Se precisares de alguma coisa relativa à Garatuja diz.

Beijinhos
CláudiaR

D. disse...

Obrigada Mãe Sisa e Cláudia pelas dicas.
Vou planear visitas às duas crechinhas.

Beijinhos

O que é paralisia cerebral?

"A criança com Paralisia Cerebral tem uma perturbação do controlo da postura e movimento, como consequência de uma lesão cerebral que atinge o cérebro em período de desenvolvimento.
(...)A criança com Paralisia Cerebral pode ter inteligência normal ou até acima do normal."

Retirado de "A criança com paralisia cerebral" - Guia para os pais e profissionais da saúde e educação APPC
Hoje caminho, o céu está azul, o sol brilha esplendoroso, oiço o chilrear dos passarinhos e o silêncio...
O silêncio no meu coração,
Os momentos, os meus momentos felizes...
Oiço o riso das crianças, cheiro a maresia que vem do mar, caminho descalça pela areia, continuo a sonhar.
Sonho, que o teu limite é o sonho e que o teu caminho, tem tantos obstáculos, uns já vencidos e outros, tantos outros, por vencer...
Dificil, é este nosso caminho mas, sei que embora seja feito devagar, muito devagar, sei que chegaremos ao destino deste nosso caminho que se faz caminhando...

Dina

Sou uma caminhante na estrada do aprendizado do amor. Às vezes, exausta, eu paro um pouquinho. Cuido das dores. Retomo o fôlego. Depois, levanto e seduzida, enternecida pelo chamado, cheia de fé, eu prossigo. Um passo e mais outro e mais outro e mais outro, incontáveis. Sei de cor que não é fácil, mas sei também que é maravilhoso olhar para o caminho percorrido e perceber o quanto a gente já avançou, no nosso ritmo, do nossos jeito, um passo de cada vez.

Ana Jácomo
E Deus continua susurrando: Não desista, o melhor ainda está por vir...
Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.

Dalai Lama

O amor é um caminho que clareia, progressivamente, à medida em que o percorremos, como se cada passo nosso fizesse descortinar um pouco mais a sua luz.
A jornada é feita de dádivas e alegrias, mas também de imprevistos, embaraços, inabilidades, lições de toda espécie.
De vez em quando, tropeçamos nos trechos mais acidentados. Depois, levantamos e prosseguimos: o chamado do amor é irrecusável para a alma. Desistir dele, para ela, é como desistir de respirar.


Ana Jácomo
Quando eu deixei de olhar tão ansiosamente para o que me faltava e passei a olhar com gentileza para o que eu tinha, descobri que, de verdade, há muito mais a agradecer do que a pedir. Tanto, que às vezes, quando lembro, eu me comovo. Pelo que há, mas também por conseguir ver.

Ana Jácomo
Nem sempre querer é poder, porque às vezes a gente quer, mas ainda não pode. Ainda não consegue realizar.
Não faz mal: a vontade que é legítima, alinhada com a alma, caminha conosco, paciente, fresca, bondosa, até que a gente possa. Às vezes, isso parece muito longe, mas é só o tempo do cultivo. As flores, como algumas vontades, também desabrocham somente quando conseguem


Ana Jácomo
Depois de cada momento de fraqueza, meu coração prepara, em silêncio, uma nova fornada de coragem.
Às vezes cansa, sim, mas combinamos não desistir da força que verdadeiramente nos move.

Ana Jácomo

Todos os direitos reservados